quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Cadê o glamour???

Pra não perder o meu " glamour", eu poderia começar dizendo "uma vez, aconteceu com uma amiga"... mas não vou disfarçar, afinal uma das vantagens de amadurecer é ir aprendendo cada vez mais a rir de nós mesmos!
A pessoa nem se lembra a última vez em que entrou numa loja pra comprar um "vestido de festa", mas dessa vez a filha, além de formar, vai se casar!
A tarde prometia um "programa legal" de mamãe e filhinhas, as três empolgadas para correr lojas, experimentar vestidos e se assustar com os preços! Tudo devidamente processado para que desse o mais certo possível, já que uma detesta shopping e não gosta de comprar vestidos, a outra adora ver vitrines mas detesta experimentar roupa, e a terceira se empolga mais com os restaurantes japoneses e as outras mil novidades do que com as lojas de grife!
Já havíamos percorrido lojas e shoppings de todos os tipos e preços, quando nos deparamos com uma que tinha estampado em letras garrafais na vitrine aquele tipo de aviso com o qual adoramos nos enganar: "todas as coleções com 50% de desconto". Entramos!
Quando me vi dentro da loja, me deu vontade de tomar novamente o rumo da porta, tal a atmosfera de "loja de grife pra lá de cara" que se apresentava em cada detalhe! Mas como não queria "dar bandeira" e nem perder a classe, entrei com o peito estufado, com aquela cara indiferente de madame que acha tudo desinteressante (será mesmo que eu convenci alguém?), e atrás as meninas, que já começavam a " fuçar" os cabides com aquela coragem despretensiosa dos jovens bem resolvidos, de quem "não deve nada a ninguém" que eu tanto admiro (... enquanto eu continuava tentando enganar com a tal cara de madame que, definitivamente, não é minha - e não convence! Aff!)
Depois de uma olhada rápida, já ia me virar pra chamar as meninas e dizer um "muito obrigada" ao atendente que nem tinha nos atendido ainda, quando uma delas chega com os braços carregados de cabides e diz: "Mãe, você tem que experimentar esses! São lindos e estão super baratos! Vai que algum fica bom?". A empolgação era tanta que nem ousei perguntar o que seria "barato" ou fazer qualquer outro tipo de questionamento.
Peguei os vestidos e fui caminhando em direção à cabine, agora acompanhada pelo subitamente simpático atendente. No caminho surge a outra filha com mais váááários cabides e com o mesmo discurso... Só deu tempo de refletir vagamente sobre o tempo que eu passaria ali dentro daquela minúscula cabine!
Lá pelas tantas, depois de muito tira-e-põe vestido, "Moden shows", risadas, comentários hipócritas do vendedor de como aquele "me caía" bem enquanto eu me sentia uma batata vestida de perua (ok! Pro bem da minha auto-estima preciso dizer que um ou outro não ficou tão ruim assim), ao tentar vestir, por cima, uma das últimas peças que tão carinhosamente minhas filhas escolheram pra mim, o vestido agarrou! Fiquei "entalada" e a coisa não ia nem pra cima nem pra baixo. Um tanto claustrofóbica que sou, comecei aos poucos a me desesperar... mas ainda consegui falar com a voz abafada: - "Lis, minha filha, entra aqui pra me ajudar!" -"O que foi, mãe?". -" Entalei!". E ela já entrou dando risada. Ela começou a tentar tirar o vestido por cima e nada acontecia! E eu ficando sem ar! Ela começou a rir e eu fui ficando um pouco mais desesperada. -"Lis, eu estou ficando sem ar! Isso é sério!". Minhas filhas sabem bem do que eu sou capaz quando me falta o ar!!! Foi aí que ela deu crise de riso e não conseguiu fazer mais nada, mas ainda conseguiu sussurrar um "Mãe, ajoelha!". Eu obedeci prontamente, enquanto ela, às gargalhadas, tentava puxar o famigerado vestido por cima. Nesse meio tempo, aparece o simpático vendedor e pergunta pra Júlia lá fora: -"E aí? Tá dando certo?". Quando penso que não, escuto a voz da Júlia: -"Mais ou menos. É que ela é um pouco claustrofóbica!". Pensei: -" Nããããooo!!! Ela não disse isso!!!". Fiquei só imaginando a cara de desentendido do vendedor. Neste momento a crise de riso da Lis entrou naquela fase "pode tentar o que quiser, agora só paro de rir amanhã"!. Sem forças de tanto rir, ela apelou pra irmã -"Júlia, troca comigo. Ajuda a mamãe aqui!"... e ria... e ria...
Claro que para entrar  uma, a outra teria que sair, dado o minúsculo tamanho do recinto, que mal mal comportava euzinha! Enquanto uma saía pra outra entrar, consegui, mesmo sem muito ar, me aperceber rapidamente da humilhante situação: eu, entalada num vestido de grife, o qual eu não tinha a mínima intenção (e com certeza nem dinheiro) de comprar, sem ar, ajoelhada dentro de um vestiário. AJOELHADA!!! O que esta criatura estava fazendo ajoelhada, alguém me explica?! Essas coisas acontecem quando você fica sem ar (ou pelo menos quando EU fico sem ar): a gente obedece às cegas! A Lis mandou, eu obedeci! (Sim, as coisas vão mesmo se invertendo com o tempo, ou pelo menos algumas delas!).
Pensei tudo isso antes da Júlia entrar na cabine. A cabeça já estava começando a girar e, de tanto rir (Sim, eu também estava dando as minhas gargalhadas em meio ao sufocamento com morte iminente, do contrário não seria eu!) me deu aquela vontade mortal (quantas mortes!) de fazer xixi! Mais um "kkk" e a humilhação seria completa!
Júlia entrou no vestiário, como sempre muito dona de si, o que em horas como essas nos enche o peito de esperança, pois acreditamos que tudo será resolvido! "Mãe, calma! O que que você fez?" (pergunta que me pareceu totalmente inapropriada para o momento, afinal de contas quem apareceu primeiro com todos aqueles cabides pendurados de lindos vestidos foi ELA!). Não respondi e, mesmo com medo de ouvir aquele ruído pavoroso de costura se desfazendo, disse ainda engasgada com a risada (e com a voz ainda abafada por trás do vestido) -"Ju, se eu não respirar agora você ficará orfã!!!". Ela imediatamente começou a girar (a GIRAR!!!) o vestido acima da minha cabeça, me apertando as orelhas, mas também fazendo com que meu nariz se encaixasse num buraquinho que se manga, decote, cava ou gola nunca fiquei sabendo. Me lembro só do alívio que senti com meu nariz encaixado ali, respirando "ar puro"! Quando a Júlia viu a cena, foi sua vez de dar crise de riso... e eu atrás! A gente só ria e nada mais acontecia... ou quase nada, pois para o meu desespero o xixi começou a sair, e como muitos de vocês devem saber, nessa altura já não tem mais volta...
Tá bom, eu também já cansei de ficar aqui sem ar, rindo feito uma louca e agora preciso correr pra não acumular ao já grande vexame, também o xixi na roupa de grife!
Júlia de repente conseguiu puxar aquela panaiada (não sou mineira autêntica, mas falo como uma quase sempre!) de cima de mim e eu, mais que depressa, mandei levar o vestido pra fora dali, tal a "gastura" (olha a mineirinha aí de novo!) que me deu! Me vesti correndo enquanto as meninas iam se desvencilhando do vendedor simpático e passei por ele como uma bala, agradecendo " de banda" (mas com dignidade!) e à procura do toilette mais próximo no shopping. E vejam que não perdi a classe, pois ainda sei chamar banheiro de "toilette"!
Respirei!!!

18 comentários:

  1. MARAVILHOSO! Ri tudo de novo! hahahaha
    Vamos voltar lá? :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu eu tive que ir fazendo umas pausas pra dar risada sozinha!!! kkkkkk

      Excluir
  2. Eu não conseguia segurar o celular de tanto rir, tive que sair correndo e ir ao banheiro (acho q toillet so em shopping e restaurante caro), enfim, acabei de ler e respirei contigo... Te vi ajoelhada no cubículo... Kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ajoelhada, Flávia!!! Já pensou em humilhação maior??? kkkkkkkkkkk

      Excluir
  3. Kkkkkkkkkkk Meu Deus! Cena de filme de comédia. Faltou só um padre entrar na outra cabine e vc, ajoelhada, começar confessar os pecados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que o filme teve um fim não tão trágico!!! kkkkkk

      Excluir
  4. Ri. Ri muito! Como se eu nunca tivesse ouvido o caso! Hahahahahahahahahahah
    Eu queria MUITO estar lá! Hahahahahahahhah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que não estava, Luh!!!! Já pensou? Não ia prestar!!! kkkkkkkk

      Excluir
  5. Imagino sua aflição e gastura . Mas deu pra rir demais

    ResponderExcluir
  6. AAAAAAAAAH GENTE. RI MUITO.
    e quase me vi com vcs.
    saudades!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria uma terceira pra dar crise de riso dentro do vestiário!!! kkkkkk

      Excluir
  7. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK chorei de rir, imaginei a cena toda, O do!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ficar com dó mesmo!!! Eu fico rindo, mas eu quase morri!!! kkkkkk

      Excluir
  8. Deu ora ouvir suas risadas daqui. Ouviu as minhas?

    ResponderExcluir
  9. Tô só de olho! Todo mundo rindo às minhas custas!!! Inclusive eu!!! kkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  10. Kkkk... Outro dia o Fred chegou em casa e disse: "Você precisa ler a história que a Marô publicou no blog!". Já imaginei que seria muito boa, mas não imaginei que iria chorar de rir! Quase fiz xixi tb...ainda bem que estou em casa e não tenho nada agarrado em mim... Kkk.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkk Obrigada pela solidariedade, Jê!!! :)

      Excluir